Pelo 14º ano consecutivo a Louis Vuitton é apontada como a número um entre as marcas de luxo mais valiosas, com um valor estabelecido em aproximadamente 47,2 bilhões de dólares.

No mês de julho foi destaque na imprensa brasileira e mundial a divulgação da nova relação das marcas de luxo mais valiosas do mundo de acordo como ranking BrandZ. Sem muitas novidades e pelo 14º ano consecutivo a Louis Vuitton é apontada como a número um, com um valor estabelecido em aproximadamente 47,2 bilhões de dólares. Na segunda posição, está a Chanel, avaliada em 37 bilhões de dólares e, completando o pódio, em terceiro lugar está a Hermès, cujo valor de mercado é de 31 bilhões de dólares.

Embora a expressividade dos números por si só seja um assunto que possibilite diversas observações, especialmente considerando-se o fato do segmento de alto padrão apresentar crescimento em comparação a outros setores estagnados devido à instabilidade econômica em muitos países, o ranking permite algumas análises concretas sobre o mercado de luxo contemporâneo.

A primeira delas é a liderança absoluta das marcas europeias no setor. As três marcas destacadas acima, por exemplo, pertencem a um mesmo país: a França. Entre as dez marcas mais valiosas do setor todas são oriundas do velho continente e, além da França, que ainda conta com a Cartier, a Dior e a Yves Saint Laurent, destaca-se a Itália com a Gucci e a Prada na seleta relação.

Outro ponto importante é que as grifes apontadas como as mais valiosas do setor expressam de maneira objetiva os principais atributos do mercado de luxo. Atemporalidade, excelência, universalidade, originalidade e tradição são características presentes nos mais diversos produtos fabricados por essas marcas, produtos esses que, por sua vez, são sinônimos do que existe de melhor quando o assunto são os bens de luxo.

Além disso, está o fato de todas essas marcas serem referência na capacidade de se comunicar com seus públicos, especialmente através das redes sociais. De acordo com ElspethCheung, uma das responsáveis pela pesquisa, “embora o número de pessoas capazes de comprar produtos de luxo permaneça limitado, a mídia social está expandindo a oportunidade para que mais pessoas apreciem marcas de luxo”.

Prever se essas marcas continuarão ainda por muito tempo nas primeiras posições do ranking é uma especulação desnecessária. O importante é entender o que elas dizem sobre o mercado na atualidade e como é possível utilizar seus exemplos e lições para potencializar os negócios do setor.

Em destaque: Louis Vuitton Women´s Spring-Summer 2019    |  Foto: Divulgação

 

* Manu Berger, colunista mercado de luxo. Escreve mensalmente neste espaço. Contato: manuberger@terapiadoluxo.com.br