Uma das maiores causas de mortes de pássaros é o choque contra vidros de edificações, como fachadas de prédios, muros de vidro e residências. Estima-se que os casos cheguem a 1 bilhão por ano em todo o mundo. Para evitar este problema, cada vez mais as construções sustentáveis buscam alternativas que possam proteger a vida destes animais.

Empresa de Florianópolis desenvolve película direcionado mercado bird friendly


Uma das maiores causas de mortes de pássaros é o choque contra vidros de edificações, como fachadas de prédios, muros de vidro e residências. Estima-se que os casos cheguem a 1 bilhão por ano em todo o mundo. Para evitar este problema, cada vez mais as construções sustentáveis buscam alternativas que possam proteger a vida destes animais.

De olho nesta tendência de mercado, a empresária e designer Eloiza Besouchet, fundadora da Película Chic, de Florianópolis, desenvolveu a “Película Amiga dos Pássaros”. Foram seis meses de pesquisas em fontes principalmente internacionais até chegar ao modelo ideal, utilizando uma técnica inovadora no Brasil.

“Em países mais desenvolvidos existe uma grande preocupação com este problema, e por isso o mercado bird friendly está em um estágio mais avançado. Mas aqui no Brasil o assunto ainda recebe pouca atenção. Foi isso o que me motivou a pesquisar e desenvolver algo nesta área”, conta Eloiza.

Nos quatro anos em que atua com o produto, a empresa já atendeu a quase 500 pedidos, de todas as partes do país. “São clientes das mais diversas áreas, principalmente escritórios, coberturas, sacadas, vidraçarias, condomínios, construtoras e restaurantes”, diz Eloiza, que faz a comercialização do produto por meio de loja virtual.

O problema dos choques acontece porque a visão dos pássaros é diferente da humana. “Superfícies de vidro, principalmente em prédios altos ou que refletem o ambiente natural (céu, árvores), são percebidas pelos pássaros não como obstáculo e sim como uma continuação do espaço. É isso que provoca tantos impactos”.

A película desenvolvida pela empresária é feita de vinil, onde são impressos pequenos desenhos com várias opções de modelos. O segredo para proteger as aves está na distância entre estes desenhos, que colocados na distância correta permitem que os pássaros percebam que há um obstáculo e consigam desviar do vidro sem se chocarem.

O professor e especialista em pássaros, Guilherme Renzo Rocha Brito, do Departamento de Ecologia e Zoologia do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina, aprova o uso da película. “Fiquei bastante feliz e impressionado com a iniciativa e o desenvolvimento deste produto. A adesivagem realmente facilita para a ave perceber que há um obstáculo, pois quebram os reflexos e diminuem a sensação de continuidade do ambiente que os vidros lisos causam”, afirma.

O produto vem chamando a atenção e gerando interesse em todo o Brasil. Foi escolhido, por exemplo, para ser utilizado na restauração do prédio que abriga a sede do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, da cidade de Caeté. Como o órgão é um defensor do Meio Ambiente, surgiu a preocupação de que as superfícies de vidro da obra não provocassem o choque de pássaros. “Como este produto é fruto de estudos e pesquisas, a equipe se sentiu respaldada para utilizá-lo na obra”, afirma a entidade.

 

Foto: Divulgação