Por meio do leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em abril do ano passado, Santa Catarina foi contemplada com a ampliação do segmento de transmissão de energia elétrica, com a implantação de cinco novas, que serão construídas pela EDP Transmissão Aliança SC – empresa constituída pela associação da EDP Energias do Brasil (90%) com a Celesc (10%).

EDP TRANSMISSÃO ALIANÇA SC PREPARA INSTALAÇÃO DE 500 QUILÔMETROS DE NOVAS LINHAS DE TRANSMISSÃO


Por meio do leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em abril do ano passado, Santa Catarina foi contemplada com a ampliação do segmento de transmissão de energia elétrica, com a implantação de cinco novas, que serão construídas pela EDP Transmissão Aliança SC – empresa constituída pela associação da EDP Energias do Brasil (90%) com a Celesc (10%).

A obra, orçada em R$1,3 bilhão, vai percorrer 500 quilômetros do Sul e Meio Oeste, passando diretamente por 28 municípios e tendo em seus extremos os municípios de Biguaçu e Campos Novos.

O projeto contempla ainda a construção de uma nova subestação de energia em Siderópolis, no Sul do Estado, além de uma série de reforços estruturais no sistema já existente, minimizando eventuais falhas que levam às indesejáveis quedas de energia. Com isso, será possível garantir o reforço energético tão almejado pelo setor produtivo e população em geral.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Luis Otavio Henriques,
presidente da EDP Transmissão Aliança SC

Segundo o presidente da Transmissão Aliança, Luiz Otavio Henriques, o empreendimento vai atenuar a dependência atual da energia proveniente da Usina Termelétrica (UTE) Jorge Lacerda, localizada em Capivari de Baixo, mais onerosa para o consumidor final, além de possibilitar o reforço estrutural do sistema de transmissão já existente.

“Trata-se de um investimento que vai proporcionar a Santa Catarina a infraestrutura energética necessária para atingir todo o seu potencial econômico”, afirma.

A nova subestação de Siderópolis, por exemplo, vai permitir desafogar a demanda atual sobre a subestação local e, assim, diminuir a dependência da subestação de Forquilhinha.

O empreendimento encontra-se em fase de licenciamento ambiental pelo Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), após ter sido discutido em audiências públicas promovidas em quatro municípios estratégicos do seu traçado (Orleans, Lages, Siderópolis e Biguaçu).

A expectativa é de que a Licença de Instalação (LI) seja concedida ainda neste segundo semestre permitindo, com isso, que as obras sejam iniciadas logo em seguida. A previsão é de que, no auge dos trabalhos, a construção das linhas de transmissão empregue mais de 2 mil pessoas diretamente, boa parte delas, trabalhadores catarinenses.

O cronograma de execução prevê que a obra seja concluída em 20 meses, com possibilidade de antecipação. A concessão da EDP Transmissão Aliança na operação das linhas do Lote 21 é de 30 anos.