Na próxima quinta-feira (20/12) a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realiza leilão que oferecerá a empreendedores concessões para a construção e futura operação de projetos de transmissão que devem gerar R$ 13,17 bilhões em investimentos.

Serão licitados 16 lotes de concessão, no dia 20 de dezembro, incluindo Santa Catarina


Na próxima quinta-feira (20/12) a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realiza leilão que oferecerá a empreendedores concessões para a construção e futura operação de projetos de transmissão que devem gerar R$ 13,17 bilhões em investimentos.

A concorrência acontecerá na sede da bolsa paulista B3 e ofertará os projetos divididos em 16 lotes. Segundo a divulgação da Aneel, esse será o maior leilão de infraestrutura promovido pelo órgão regulador nos últimos quatro anos, em termos de aportes previstos. A licitação passada viabilizou R$ 6 bilhões em investimentos.

Os vencedores da concorrência terão direito a contratos de concessão de 30 anos. Serão contratadas 7.152 km de novas linhas de transmissão e 14.829 MVA em capacidade de transformação. A estimativa é de que as empresas vencedoras gerem 28 mil empregos.

Os empreendimentos licitados compreendem investimentos a serem realizados nos Estados do Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.

A concorrência nos leilões da Aneel tem crescido cada vez, inclusive com a participação de empresas de outros países como China, França e Índia. Segundo a diretora geral técnica e de Engenharia da Ambiotech Consultoria Ambiental, Adriana Malinowski, um levantamento prévio preciso é fundamental para empreendedores que almejam concorrer no leilão da Aneel.

“É preciso avaliar os orçamentos e focar em lotes específicos. Esse estudo prévio nos ajuda a identificar essas oportunidades. Temos focado em estratégias de licenciamento visando reduzir prazos dentro da organização ambiental. A consequência disso são custos menores e maior chance de ganhar os leilões”, explica.

Tradicionalmente, a disputa pelos lotes leiloados pela Aneel conta com a participação de empresas de médio e grande porte. Porém, mais recentemente, as pequenas empresas estão ganhando mais espaço focando em empreendimentos menores.

“Há mais espaço para empreendedores novos, mas, para isso, é preciso que invistam em estratégias voltadas para determinados lotes. Uma consultoria especializada faz toda diferença para alcançar esse objetivo”, indica.

De acordo com os termos previstos em edital, após o resultado do leilão, as empresas que vencem a concorrência têm um cronograma rigoroso para a fase de licenças e obras. A primeira etapa é a do licenciamento ambiental, que pode levar até dois anos.

Após essa fase, é realizada a construção que deve durar até três anos. “É necessário levar muito a sério as etapas e buscar concluir tudo no prazo. As empresas que não conseguem cumprir o cronograma sofrem multas e podem até ficar vetados de participar dos próximos leilões”.

 

Em Destaque: Serão contratadas 7.152 km de novas linhas de transmissão e 14.829 MVA em capacidade de transformação. Foto: Pixabay.