As festas de fim de ano movimentam o mercado e trazem boas expectativas para o aumento das vendas e busca por serviços especializados. O setor de casa e construção também não fica atrás nesse cenário positivo: o período pode render bons negócios para quem atua na área de decoração, venda de móveis e na de prestação de serviços.

Relatório do Sebrae analisa as oportunidades de negócios no segmento


As festas de fim de ano movimentam o mercado e trazem boas expectativas para o aumento das vendas e busca por serviços especializados. O setor de casa e construção também não fica atrás nesse cenário positivo: o período pode render bons negócios para quem atua na área de decoração, venda de móveis e na de prestação de serviços. O relatório produzido pelo Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae aborda as oportunidades no segmento, fatores que influenciam o consumo nessa época e o perfil do consumidor catarinense.

De acordo com dados da Serasa Experian, em 2017 as vendas no Natal cresceram 5,6% quando comparadas às do ano anterior no período de 18 a 24 de dezembro. Esse foi o melhor resultado desde 2011. Considerando a mesma época do ano, o Serviço de Proteção do Crédito (SPC) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) registraram, no ano passado, um aumento de 4,72% nas vendas a prazo, após três anos consecutivos de queda.

Diferentes tipos de serviços como reforma e construção também são impulsionados pelas comemorações de fim de ano. Neste caso, os consumidores procuram os profissionais do setor com o objetivo de preparar a casa para receber melhor os amigos e familiares. Por isso, aumenta a busca por empresas que prestam atendimentos ou oferecem produtos que influenciam diretamente na estética dos imóveis.

 

Oportunidades
Com o aumento do movimento no setor durante esse período do ano, muitos produtos ou serviços que atendam demandas específicas podem surgir. Profissionais que trabalham com reforma costumam ser bastante requisitados. Arquitetos, engenheiros, designers de interiores, pintores, pedreiros e eletricistas conseguem colher bons frutos nessa época.

A venda de materiais de construção e decoração também se aquece com a proximidade das festas. Para as lojas do segmento, a expectativa é que aumentem as vendas de produtos utilizados em trabalho de revitalização dos locais, como tintas, rolos, pincéis, argamassas e revestimentos. Já os estabelecimentos que trabalham na área de decoração focam em artigos específicos de Natal, como Papai Noel, luzes, guirlandas, toalhas de mesa e acessórios temáticos para ceia.

O recesso de fim de ano também pode proporcionar oportunidades para a atuação de alguns profissionais, como aqueles que trabalham na manutenção de ambientes corporativos. Serviços como instalação e limpeza de ar-condicionado, jardinagem e paisagismo podem ser solicitados pelas companhias, já que os colaboradores estão fora da empresa. Além disso, quem oferece serviços residenciais e de condomínios, como manutenção de piscinas, gramados esportivos e áreas de lazer em geral também pode se beneficiar nesse período.

As decorações temáticas para Natal e Réveillon são oportunidades de atuação para este período. Lojas especializadas nesse tipo de serviço, seja para montagem de residências ou de locais comerciais e corporativos, encontram um mercado aquecido no segundo semestre do ano. Para os consumidores que não têm tempo de enfeitar suas casas, mas desejam entrar no clima das festas, também há opções de serviços especializados, como profissionais que montam árvores de Natal e fazem toda a decoração da residência dos clientes.

Fatores que influenciam o consumo de fim de ano
Alguns fatores específicos dessa época do ano favorecem o crescimento das vendas e da busca por serviços neste período. Benefícios trabalhistas, como o 13º salário e a participação nos lucros e resultados (PLR), além das linhas de créditos disponibilizadas aos consumidores ajudam a alavancar o cenário economicamente mais positivo do segundo semestre. Além disso, as férias escolares e o clima de verão são outras situações que também podem influenciar o consumo do brasileiro.

Segundo o Dieese, em 2017, o pagamento do 13º salário colocou R$ 8,4 bilhões na economia de Santa Catarina. Esse valor representou 4,2% do total de todo o país, 25,8% do total da região Sul e representou cerca de 3,1% do PIB do estado.

 

Perfil do consumidor em Santa Catarina
O perfil do consumidor da área de Casa e Construção de Santa Catarina possui características específicas. São homens e mulheres casados, com idade entre 35 e 54 anos e pertencentes à classe D (renda de até R$ 3.748,00). Esse público é o que mais busca serviços de decoração, móveis e reforma.

 

Foto: Pixabay