O Brasil tem uma das maiores forças empreendedoras do mundo e, segundo dados do Empresômetro, empresa brasileira de inteligência de mercado, somente em 2018, foram abertos mais de 2,5 milhões de novos negócios.

Segmentos como barbearias, hamburguerias e cervejarias atraem novos investimentos


O Brasil tem uma das maiores forças empreendedoras do mundo e, segundo dados do Empresômetro, empresa brasileira de inteligência de mercado, somente em 2018, foram abertos mais de 2,5 milhões de novos negócios. Mas certos períodos são marcados por empreendimentos da moda, negócios puxados por um bom começo, mesmo que iniciados pela necessidade em gerar renda, que em determinadas épocas que tem um boom. Nesse contexto, destacam-se barbearias, hamburguerias e cervejarias. Negócios que sempre existiram, claro que de forma tímida e artesanal e que apresentam profissionalização e crescimento.

“São negócios que indicam duas coisas: melhora na economia e o aumento de renda, fazendo com que o consumidor opte por gastar em produtos que antes eram vistos como supérfluos. Além disso, as barbearias, por exemplo, surgem em razão de um estilo, uma mudança na cultura que irá impulsionar esses negócios”, explica o diretor do Empresômetro, Otávio do Amaral.

Em 10 anos o setor de cabeleireiros, que inclui as barbearias, cresceu mais de 4 mil pontos percentuais – em 2008 eram pouco mais de 3 mil estabelecimentos e, em 2018 , somavam mais de 128 mil.

Com as cervejarias se vê o mesmo quadro, um crescimento grande, impulsionado por um mercado consumidor que busca, além de novas marcas, conhecer diferentes sabores e preços. Subindo de 9,6 mil empresas para mais de 65 mil novos negócios relacionados, isto é, bares e comércio de bebidas.

As hamburguerias são outro negócio que aparece bastante hoje, “um produto que já era encontrado em muitas lanchonetes Brasil afora, passou pelo processo de ‘gourmetização’,tornando-se mais agradável ao paladar, sofisticado muitas vezes, com variedade de sabores nunca antes experimentados pelo público brasileiro, atraindo muitos consumidores”, ressalta o diretor do Empresômetro.

A profissionalização, incremento e facilidade em iniciar os negócios, empurrados por uma melhora na economia, fez com que esses empreendimentos se tornassem o sonho de muita gente. Pessoas que se viram sem emprego, que já não estavam mais satisfeitas com suas carreiras ou buscavam a realização de um sonho, são grande parte dessa massa empreendedora.

“Investir num negócio é em grande parte buscar uma vida melhor, mas não se pode esquecer que uma empresa serve a um propósito em longo prazo, e muitas vezes problemas podem surgir no caminho, mas podem ser mitigados quando houver uma boa orientação”, esclarece Amaral.

 

Em destaque: Setor de cabeleireiros, que inclui as barbearias, cresceu mais de 4 mil pontos percentuais. Foto: Divulgação