Os últimos anos foram de reposicionamento para a Fundação Celesc de Seguridade Social (Celos), postura que permanecerá no próximo período. A instituição que direcionou esforços para o equilíbrio da carteira de investimentos, com uma postura mais conservadora, e investiu em uma gestão profissional apresentou as estratégias que nortearão as ações até 2023.

Ações de equilíbrio econômico estão entre as prioridades


Os últimos anos foram de reposicionamento para a Fundação Celesc de Seguridade Social (Celos), postura que permanecerá no próximo período. A instituição que direcionou esforços para o equilíbrio da carteira de investimentos, com uma postura mais conservadora, e investiu em uma gestão profissional apresentou as estratégias que nortearão as ações até 2023.

Além de fortalecer a imagem e credibilidade da instituição, a Celos focará na manutenção e conquista de participantes e beneficiários.

“Fizemos uma análise profunda e crítica e definimos algumas prioridades. Nosso trabalho será pela sustentabilidade dos Planos Previdenciários e Assistenciais, otimizando os processos de gestão e buscando uma CELOS com equilíbrio financeiro e econômico”, destaca o presidente Ademir Zanella.

Outros aprimoramentos estão entre as preocupações da Fundação para os próximos anos. “Tivemos um crescimento expressivo na nossa rede direta de atendimento à saúde e para os próximos anos isso deve continuar ocorrendo”, afirma. A estratégia de crescimento da Fundação visa ainda a profissionalização constante de pessoal.

“Queremos que os colaboradores, diretoria e conselheiros estejam em constante aprendizado. Isso reflete diretamente nos retornos que damos aos Participantes, pois diz respeito à qualificação de cada decisão que tomamos”.

A Celos atende 8.536 famílias em previdência privada, sendo que nos últimos três anos foram pagos aproximadamente R$ 750 milhões em benefícios de aposentadoria. Com 44 anos de história, possui mais de 23 mil beneficiários em plano de saúde e conta com 376 especialidades médicas credenciadas. O patrimônio total é de R$ 3 bilhões.

 

Em Destaque: Ademir Zanella, presidente da Celos. Foto: Divulgação