Há cerca de dois anos, pouco antes de escrever e lançar o primeiro livro, a advogada Renata Feltrin não havia, ainda, pensado em registrar, de forma escrita, as percepções e relações com amigos de outras dimensões.

RENATA FELTRIN LANÇA SEGUNDO LIVRO DE CUNHO ESPÍRITA, “AQUELE QUE OLHA”


Há cerca de dois anos, pouco antes de escrever e lançar o primeiro livro (“Ala Saudade – um lugar perdido no tempo”), a advogada Renata Feltrin não havia, ainda, pensado em registrar, de forma escrita, as percepções e relações com amigos de outras dimensões. Agora, ciente de que esta prática é complemento para experiência e desenvolvimento espiritual, está lançando um segundo livro ao mesmo tempo em que se dedica, já, ao terceiro trabalho.

“Senti uma grande necessidade de passar essas minhas experiências para outras pessoas de uma maneira mais didática, transmitindo uma ideia nova sobre como entender a vida e viver a espiritualidade”, explica.

Em “Aquele que olha”, romance com lançamento agendado para o início de agosto, Renata descreve as conversas com a consciência Anselmo, que descreve duas de suas existências, com ênfase no despertar para a multidimensionalidade.

Trata-se, segundo explica, de uma consciência atemporal, que lhe ensina como o simples fato de olhar para a vida física de uma maneira diferente pode alterar a própria história e a de outras pessoas. Na definição da advogada e escritora, Anselmo foi um “professor entre vidas”, que lhe ajudou a entender o que ela própria deveria fazer nesta dimensão.

“Foi um despertar, como uma preparação para o momento que estou vivenciando agora. Nenhuma dessas experiências que relato eu conhecia, e me vejo agora cursando um caminho como o dele”, conta.

As obras de Renata Feltrin são de cunho espiritualista, mas a autora faz questão de ressaltar que não são resultado de experiências psicografadas, e que a leitura independe de crenças ou religião. São, conforme explica, a materialização de uma série de percepções e conexões com um plano diferenciado.

“É como se eu fosse um canal para passar essas mensagens que me ajudam a evoluir, e eu sinto necessidade de dividir tudo o que aprendo com outras pessoas”, explica.

Graças a isso, nesta segunda incursão no mundo das letras, a autora sentiu-se e se revela mais evoluída como pessoa e como escritora.

As questões que se sobressaem no relato do personagem Anselmo conduzem, segundo Renata, a questionamentos e autoconhecimento, e como conseqüência, provocam mudanças de atitudes e quebra de paradigmas: a partir dessa consciência atemporal o leitor tem condições de perceber que nada é isolado, e que presente, passado e futuro acontecem ao mesmo tempo.

“A principal mensagem é que a partir da iniciativa de adotar um olhar diferenciado, qualquer pessoa pode olhar as coisas de uma maneira alternativa, e com isso alterar o rumo da própria história e influenciar a vida de outras pessoas. Cada forma de agir tem consequências sobre o todo”, finaliza.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]